Procela
(Robério Pereira Barreto)

O vento sopra dos confins do oceano;
A maré enche trazendo
com ela a saudade de ti.

As ondas de mansinho me tomam
com sua espuma límpida e sedosa.

Daí meu corpo é sufocado
E minha alma alimentada
Como o bom bocado dado por
Sua boca no momento amor.

Agora, na minha cabeça as imagens de ti.
Espalham-se como as algas do mar que,
Levadas pelas correntes marinhas
Morrem ao tocarem a areia quente
Tão rapidamente que nem sentem dor.

Outras vezes, a saudade de ti.
É tão grande que se torna uma procela,
Desviando esse coração navegador
Para mares revoltos e sem cor.

Na maioria das vezes não resiste
E chora de dor perdendo-se nas marcas
Que o vento rebelde do mar apagou.


30 de maio de 2006. 02h06’

*******
Clique na imagem e recomende a página

CLIQUE PARA RECOMENDAR ESTA PÁGINA!

Home||Menu||Livro de Visitas||E-mail

webdesigner:
*Ja(Mulher)*