A ti, Medianeira!

Medianeira, mediadora, hospitaleira, religiosa.

Passarela do Turismo; cinismo!
Tão temida pelos sacoleiros, aventureiros,
Verdadeiros heróis pela sobrevivência.
És conhecida em todas as Regiões do Brasil.
Não por ser a beleza de uma Passarela, a mais bela,
Mas amedrontada por sentinelas
De um posto de fiscalização.

Já foste o canto de lindas aves,
Habitação de animais selvagens,
Floresta nativa de nobres árvores,
Agora, herança do Parque Nacional.

Foste a saga da esperança
De heróis desbravadores,
Lágrimas de saudades
De um povo audacioso das bandas do Sul
Hoje, não foges dos desencantos,
Da violência e prantos,
Dos problemas de mil e tantos
“Lalaus” sacanas

Que se espalham por este Brasil.

Mesmo assim...
Teu povo cultiva a terra e a esperança;
Acreditas nos jovens idealistas
De que tudo, numa conquista, voltará.
Num dia qualquer! Quem sabe!...
O futuro nos dirá.
E, ainda, serás
A cidade maravilhosa e altaneira,
A cidade de tua gente querida, protegida
Pela Mãe Padroeira:
Nossa Senhora Medianeira!

Idalice Pavan Zamin
Professora de Língua Portuguesa dos Colégios: 
Modelo do Paraná e João Manoel Mondrone

******

Home||Menu||Livro de Visitas||E-mail  

webdesigner
*Ja(Mulher)*